Fale conosco: 15 3329.4240 - 9 9697.4479 || contato@souzagongora.com.br
Logo
Quem Somos  |  Áreas de Atuação  |  Notícias e Artigos  |  Links Úteis  |  Contato  |  Localização  |  Principal
 
 
 
Últimas matérias
05/07/2017
Ex-empregado é condenado a indenizar empresa por danos morais e materiais
 
05/07/2017
JT afasta presunção de boa fé de comprador que adquiriu veículo por menos de 50% do valor de mercado
 
05/07/2017
Cruzeiro F. C. é absolvido de pagar danos materiais a jogador que sofreu infarto durante treino
 
04/07/2017
Sindicato é multado por descumprir decisão de retorno ao serviço em greve no transporte
 
04/07/2017
Servidor aposentado não pode acumular proventos com remuneração de estagiário
 
04/07/2017
Aposentado por invalidez após acidente de trabalho será indenizado
 
04/07/2017
Turma rejeita supressão de intervalo por convenção coletiva
 
03/07/2017
Siderúrgica que forneceu EPIs sem apresentar a ficha de controle deverá pagar adicional de insalubridade
 
03/07/2017
17ª VT/SP: concedida tutela antecipada contra atos antissindicais
 
03/07/2017
Empregado é condenado por litigância de má-fé ao pedir adicional de transferência
 
01/02/2017
Adicional de transferência pago a empregado transferido para o exterior deve integrar remuneração
 
 
Notícias e Artigos / Detalhes ¬
Fique por dentro das novidades.
 
Servidor aposentado não pode acumular proventos com remuneração de estagiário
04/07/2017
 
Por receber proventos, servidor aposentado permanece vinculado à Administração Pública, logo, não pode ser remunerado por estágio em órgão público, situação vedada pela Constituição Federal. Foi esse o entendimento do Pleno do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-PE), ao julgar Mandado de Segurança de candidato a estágio do próprio órgão.

O autor do MS, que também é servidor estadual aposentado, pretendeu atacar decisão do diretor-geral (DG) do TRT6, que concluiu que É vedada a participação, no programa de estágio remunerado, de candidato ocupante de cargo público ou que realize outro estágio. A proibição que embasou a decisão do DG se trata do teor do artigo 7º, parágrafo único, do Ato TRT-GP nº 073/2012, que regulamenta o programa de concessão de estágio no âmbito do TRT-PE. Ao analisar o ato, o diretor-geral interpretou que a regra também se aplica aos candidatos que percebem proventos de aposentadoria decorrentes de vínculo com a Administração Pública.

Em seu voto, o relator, desembargador Eduardo Pugliesi, entendeu que não seria razoável se fazer distinção entre servidores ativos e inativos para efeito da vedação contida na norma regulamentar, pois o fundamento para sua restrição é a existência de vínculo jurídico com a Administração Pública, o qual não se extingue após a aposentadoria.

Para embasar seu posicionamento, o desembargador também trouxe as regras descritas no artigo 37, incisos XVI, XVII e § 10º, da Constituição Federal, que vedam a acumulação remunerada de cargos públicos, ressaltando que a proibição se estende a empregos e funções e abrange autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público. Além disso, o dispositivo também veta a percepção simultânea de proventos de aposentadoria com a remuneração de cargo, emprego ou função pública.

Para o relator, a questão se resolve pelo exame do caput do artigo 7º do ato nº 073, segundo o qual: Mediante assinatura do termo de compromisso, o estagiário obriga-se a cumprir as normas disciplinares estabelecidas para os servidores do Tribunal Regional do Trabalho da Sexta Região, bem como declara conhecer sua condição especial de servidor público para fins civis e criminais. Dessa maneira, concluiu que estagiário do Tribunal ostenta condição de servidor público lato sensu, destacou.

O desembargador sublinhou, ainda, que a remuneração do estágio também consta na dotação orçamentária, isto é, tem o erário público como fonte pagadora, e, por isso, sua acumulação com os proventos de aposentadoria de servidor público também se insere na regra constitucional proibitiva. O voto foi seguido pela maioria do Pleno.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região
   
   
Quem Somos  |  Áreas de Atuação  |  Notícias e Artigos  |  Links úteis  |  Contato  |  Localização  |  Restrito
Souza & Gongora Advogados
Rua Coronel José Pedro de Oliveira 520, Jardim Faculdade - Sorocaba/SP
Venha nos fazer uma visita

Fale conosco: 15 3329.4240 - 9 9697.4479
contato@souzagongora.com.br
 
 ATENDIMENTO
Segunda a Sexta-feira
09h00 às 12h00 e 13h00 às 17h30
  

Logo
  
Souza & Gongora Advogados / Copyright 2013 - Todos os direitos reservados :: Desenvolvido por Rede3D