Fale conosco: 15 3329.4240 - 9 9697.4479 || contato@souzagongora.com.br
Logo
Quem Somos  |  Áreas de Atuação  |  Notícias e Artigos  |  Links Úteis  |  Contato  |  Localização  |  Principal
 
 
 
Últimas matérias
05/07/2017
Ex-empregado é condenado a indenizar empresa por danos morais e materiais
 
05/07/2017
JT afasta presunção de boa fé de comprador que adquiriu veículo por menos de 50% do valor de mercado
 
05/07/2017
Cruzeiro F. C. é absolvido de pagar danos materiais a jogador que sofreu infarto durante treino
 
04/07/2017
Sindicato é multado por descumprir decisão de retorno ao serviço em greve no transporte
 
04/07/2017
Servidor aposentado não pode acumular proventos com remuneração de estagiário
 
04/07/2017
Aposentado por invalidez após acidente de trabalho será indenizado
 
04/07/2017
Turma rejeita supressão de intervalo por convenção coletiva
 
03/07/2017
Siderúrgica que forneceu EPIs sem apresentar a ficha de controle deverá pagar adicional de insalubridade
 
03/07/2017
17ª VT/SP: concedida tutela antecipada contra atos antissindicais
 
03/07/2017
Empregado é condenado por litigância de má-fé ao pedir adicional de transferência
 
01/02/2017
Adicional de transferência pago a empregado transferido para o exterior deve integrar remuneração
 
 
Notícias e Artigos / Detalhes ¬
Fique por dentro das novidades.
 
Empregado é condenado por litigância de má-fé ao pedir adicional de transferência
03/07/2017
 
Ele foi contratado em Belo Horizonte para trabalhar exclusivamente em obra na cidade do Rio de Janeiro, conforme demonstrou o contrato de trabalho anexado ao processo. Mesmo assim, pediu na ação o pagamento de adicional de transferência, alegando ter sido transferido de forma provisória. Além de ter o pedido rejeitado, ele foi condenado por litigância de má-fé pelo juiz de 1º Grau. E a 5ª Turma do TRT de Minas manteve a condenação, em grau de recurso.

Atuando como relator do caso, o desembargador Manoel Barbosa da Silva ponderou que a conduta adotada pelo empregado admite duas interpretações: desconhecimento do direito ou litigância de má fé. Como o trabalhador está assistido por profissional habilitada perante a Ordem dos Advogados do Brasil, a segunda alternativa foi a reconhecida

Além de o local de trabalho ter constado do contrato escrito, o magistrado observou que o trabalhador informou, em depoimento, que permaneceu em Belo Horizonte somente no período em que esteve afastado do trabalho por problema de saúde. A conduta ética mínima exigida seria a renúncia ao direito sobre o qual fundava a ação em relação ao pedido de adicional de transferência, entendeu o relator, diante do contexto apurado.

Reconhecendo a má-fé na dedução de pretensão contra fato incontroverso, como é o caso do pedido de adicional de transferência mesmo sabendo que a contratação se deu para trabalhar em outra cidade, o relator negou provimento ao recurso. Acompanhando o voto, a Turma confirmou a sentença que, aplicando ao caso os artigos 80, incisos I e II e 81, caput, do CPC, determinou o pagamento de multa de 1% sobre o valor da causa. A quantia de R$365,75 foi considerada razoável, tendo em vista a função exercida pelo empregado.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região
   
   
Quem Somos  |  Áreas de Atuação  |  Notícias e Artigos  |  Links úteis  |  Contato  |  Localização  |  Restrito
Souza & Gongora Advogados
Rua Coronel José Pedro de Oliveira 520, Jardim Faculdade - Sorocaba/SP
Venha nos fazer uma visita

Fale conosco: 15 3329.4240 - 9 9697.4479
contato@souzagongora.com.br
 
 ATENDIMENTO
Segunda a Sexta-feira
09h00 às 12h00 e 13h00 às 17h30
  

Logo
  
Souza & Gongora Advogados / Copyright 2013 - Todos os direitos reservados :: Desenvolvido por Rede3D